Vamos tomar uma Paraty?

Blog_agosto0
Para brindar com vocês essa minha estréia na blogosfera, vou deixar a champagne de lado e empunhar toda orgulhosa um martelinho cheio de uma boa cachaça. Será que existe um produto mais brasileiro que esse? Desde que o Brasil é Brasil, já no século XVI, havia engenhos e alambiques por aqui destilando essa maravilhosa aguardente. Tão maravilhosa que, quando chegou à Europa, os portugueses ficaram de orelha em pé com medo da nossa pinga tomar espaço da bagaceira deles.

E quem produz cachaça desde aquela época é a charmosíssima cidade de Paraty, pra onde eu corro sempre que tenho uma folguinha. Confesso que são de lá as minhas preferidas. Lá no Carlota, a gente gosta de fazer caipirinha com a Coqueiro (confira no pé do post o Top 5 do Carlota), que vai bem com tudo: cerejas, tangerina com caju, cajá e um monte de outras frutas. Um detalhe curioso e que revela o quão importante para a cachaça é a cidade de Paraty é que até o começo do século passado ainda tinha gente que usava o nome do município como sinônimo da bebida. Tem até um samba, cantado por Carmem Miranda e composto por Assis Valente, que dizia assim, lá pelos anos 1930:

“Vestiu uma camisa listada e saiu por aí.
Em vez de tomar chá com torrada
Ele bebeu Paraty”.

E o mais bacana é que a cachaça ganha cada vez mais adeptos, dentro e fora do país. No exterior, uma das responsáveis por esse sucesso é a Sagatiba, que começou sua saga pela Europa e agora está indo com tudo para os EUA. Eles me pediram um depoimento para o novo site americano deles, onde falo um pouco sobre gastronomia brasileira e, claro, sobre cachaça ( aqui o site e abaixo segue o vídeo!)

Pois então, vai uma Paraty aí?

Top 5 Carlota – Cachaças
Armazém Vieira

Maria Izabel

Coqueiro

Sagatiba

Nêga Fulô Carvalho


Posts Relacionados

  • Fora do pão com gergelimFora do pão com gergelim Inspirada por estes dias mais gelados, fiquei pensando em como nós nos aperfeiçoamos na arte de conservar os alimentos para não sofrer […]
  • Merenda sem leiMerenda sem lei O fato de ser delicioso é apenas um efeito colateral (bendito seja!) do ato de comer. Quem se preocupa com alimentação em larga escala […]