O futuro foi ontem

Os tempos de glória e badalação que a alta cozinha espanhola vive hoje se devem muito às invencionices moleculares de chefs como Joan Roca e, principalmente, Ferran Adrià – que vem ao Brasil logo mais. A possibilidade de criar gelatinas e emulsões preparadas com tecnologia de laboratório expandiram os horizontes de quem cozinha e de quem degusta; isso é fato.

Acontece que há quem enxergue o lado ruim disso tudo. E não se trata de uma opinião qualquer, mas de outro gênio espanhol: Santi Santamaría, dono de três estrelas no Guia Michelin. Tão respeitado quanto toda a turma de Adrià, Santamaría assumiu de vez o papel de combatente da cozinha molecular e (atenção para o termo!) tecno-emocional.

Blog_Futuro

Em uma entrevista a Carlos Alberto Dória (dentro do ótimo Estrelas no céu da boca, da Ed. SENAC São Paulo) – uma das muitas em que se dedica a atacar a cozinha “de vanguarda” –, Santamaría resumiu seu sentimento com pelo menos duas frases que merecem entrar no currículo de qualquer curso de gastronomia. Basicamente, o que ele diz é que essa obsessão toda por novas cores, formas e sabores é só mais um reflexo do caminho que a humanidade (e não só a culinária) está seguindo. É mais uma face do consumismo: além de fazer você pagar, e muito, pela comida, o restaurante ainda impõe aquilo que você deve sentir ao experimentar aquilo; aquela sensação nova conseguida no laboratório. É preciso querer mais e mais, sempre diferente. “Ninguém mais tem tempo de se emocionar com umas verduras assadas, com um frango caipira”, diz o catalão.

E então, perguntado se concordava com a opinião de Ferran Adrià de que a comida do futuro está na China e no Brasil, Santi Santamaría se saiu com essa: “Não vejo nada disso. Vejo o futuro nas mães e nas avós. É preciso ressuscitá-las”. As novas possibilidades podem acabar sendo divertidas? Pode até ser. Mas… quer saber? Tô mais pro Santamaría!


Posts Relacionados

  • Dilema piscianoDilema pisciano Todo mundo que me conhece sabe que fico muito atenta a tudo que pode interferir na ética da minha profissão. Uma das coisas que todo […]
  • EcopostEcopost Trabalhar com gastronomia é muitas vezes sinônimo de trabalhar com educação. Educação ambiental. Há tempos, escrevo aqui sobre meus […]