Muito além do fettuccine

O americano Charles Perry tem uma profissão das mais fascinantes que consigo imaginar: é um historiador especializado na história da comida. Uma das missões principais de sua existência é descobrir qual é a verdadeira origem do macarrão. E, segundo ele, podemos ir logo esquecendo a versão consagrada de que Marco Polo trouxe à Itália no final do século 13 o alimento descoberto na China, ou ainda a hipótese que mais orgulha os italianos – de que foram os etruscos, lá mesmo na velha bota, os primeiros a fazer uma pasta de cereais e água e cozinhá-la, no século 4 a.C.

Blog_pasta2

Perry diz que as primeiras referências ao macarrão – ou a algo parecido com ele – vêm do Talmud de Jerusalém, a compilação das leis e preceitos judaicos, num trecho em aramaico datado do século 5. O itriyah, como era chamado esse macarrão ancestral, teria se espalhado por todo o mundo árabe e chegado à Sicília por volta do século 9. Até então, acredita-se que o alimento era usado exclusivamente em sopas. O hábito de comer um prato com o macarrão como atração principal, esse sim nasceu dos italianos.

Enfim, seja qual for a versão correta, o fato é que já faz alguns séculos que nós ocidentais convivemos com a pasta. E, no entanto, parece que reina um certo comodismo com relação aos tipos de massa. Para ir além do fettuccine e do penne, dê uma chegada no www.pastacocco.com e veja a listagem de produtos do site da Giuseppe Cocco, uma fábrica italiana de massas que até hoje utiliza máquinas de cobre do início do século 20. Quem traz a marca para o Brasil é a Colavita. O mais legal é que para encontrar algumas das linhas dessa marca você não precisa ir até a Itália e nem a um empório ultraespecializado: elas estão na rede Pão de Açúcar. Procure bem por aí porque em cada loja você encontra formatos diferentes. Que tal um tagiolini, um gramigna ou um lumaconi, para variar?

PS: Se você sabe ler em inglês e se interessou pela história da origem do macarrão segundo o Charles Perry, vale a pena acessar esta reportagem aqui do arquivo da revista norte-americana The Atlantic.


Posts Relacionados

  • Brincando de boneca no século 21Brincando de boneca no século 21 Eu sempre digo e tenho motivos caseiros que confirmam: se comparadas às gerações passadas, estas novas gerações estão dando saltos […]
  • Quiz da NekaQuiz da Neka "A sua energia está aonde está a sua atenção". A frase, logo abaixo da assinatura de email de Neka Menna Barreto, explica bem o segredo […]