Que novela, que nada…

A indústria cinematográfica da Índia é quase centenária, mas certamente o filme Casamento à indiana (2001) foi a porta de entrada para Bollywood para muita gente. Quem não viu, veja, é delicioso. Estou falando dele porque recebi dia desses um convite da minha queridíssima Meeta Ravindra para o enlace do seu filho, Sagar. Advinha onde? Lá mesmo, na Índia! Infelizmente voei pra lá só em pensamento. E direto pro filme…

A Meeta, para quem não sabe, é um sinônimo de culinária indiana aqui no Brasil, onde ela vive desde 1973. Ninguém domina o assunto como ela, como puderam atestar os vinte e poucos felizardos comensais que participaram do gastro-pop de julho, lá no Studio 768.


india_mA Índia é um capítulo absolutamente especial na gastronomia. É um festival de canela, gengibre, cravo, semente de mostarda e daquele encantador cheiro de cominho tostado que parece nos conectar imediatamente com esse país intrigante e ancestral. Não foi por acaso, afinal, que essas maravilhosas especiarias levaram os europeus a fazer loucuras, colocar navios na água, criar rotas comerciais: não é fácil resistir à vivacidade desses temperos…

Porém tudo o que vem da Índia costuma chegar até o Ocidente envolto em clichês nem sempre verdadeiros e que não costumam refletir a riqueza daquilo que é feito por lá. Por isso é que eu corro como louca atrás de produções de Bollywood, para tentar entender um pouco a lógica e a essência daquele povo. O cinema representa bem a relação que costumamos ter com esse país: Bollywood é tão grande e produz tanto conteúdo quanto a Hollywood que inspirou seu nome. E, no entanto, nós mal sabemos que ela existe ou, se sabemos, nos limitamos ao óbvio. Aqui vão alguns links para ilustrar esse papo (ou servir de trilha sonora, como queira), pescados pelo meu parceiro Carlos Siffert.

E não é que a culinária acontece o mesmo? Nos limitamos a uma pitada de curry no frango, eventualmente um lassi, e pronto – eis a comida indiana. Mas vale a pena ir um passo além e explorar tudo o que aquela cultura tem de delicioso. Eu tenho dado os meus passinhos, mas não foi dessa vez que pus meus pés por lá… Obrigada, Meeta, fica pra próxima!

Pra quem ficou com água na boca, aí vai uma receitinha:


Samosas

Ingredientes Massa
1 e ½ xícara de farinha de trigo
1 pitada de sal
1/3 tablete de manteiga
½ xícara de água

Ingredientes Recheio
1/8 xícara de óleo
¼ colher (chá) de mostarda preta em grão
½ cebola cortada em fatias finas
2 dentes de alho esmagados
1 colher (chá) de gengibre ralado
½ colher (chá) de curcuma
1 colher (chá) de coentro em grão moído
1 colher (chá) de cominho moído
¼ colher (chá) açúcar
3 batatas cozidas cortadas em cubinhos
½ xícara de ervilhas frescas
1 colher (chá) de garam massala
1 colher (sopa) de coentro picado
1 pitada de sal de limão (sal de frutas)
Sal a gosto

Preparo Massa
1. Misture em um bowl os três primeiros ingredientes, misturando bem com as mãos.
2. Adicione a água aos poucos até dar o ponto (nem sempre é necessário utilizar toda a água).
3. Sovar bastante.
4. Deixar descansar por alguns minutos.
5. Abrir a massa na espessura de menos de 1 mm, o mais fino possível.

Preparo Recheio
1. Leve ao fogo o óleo, junte a mostarda e, quando ferver, acrescente a cebola, refogando até dourar.
2. Junte o alho e o gengibre e frite rapidamente. Adicione o açafrão e o coentro moído, cominho e açúcar.
3. Acrescente a batata e a ervilha e misture.
4. Tampe a panela e cozinhe em fogo baixo por 6 minutos ou até que a batata fique cozida.
5. Adicione o garam massala, coentro picado, sal de frutas e tempere com sal.
6. Misture bem e deixe esfriar.
7. Rechear as samosas com esse recheio.
8. Frite em oléo aquecido em imersão (de milho ou canola).


Posts Relacionados

  • Filmes comestíveisFilmes comestíveis O próximo passo da minha odisseia porto-alegrense já tem data marcada e será o tipo de evento que quem acompanha este blog sabe que é a […]
  • Escabeche cinematográficoEscabeche cinematográfico Muita gente tem me falado muito bem de mais um filme estrelado pelo excelente ator Ricardo Darín, “Um Conto Chinês”, que já levou mais […]