J� comeu hoje?

Apesar da China ainda dizer que Taiwan (ou Formosa, nome de batismo dado pelos descobridores portugueses) pertence a ela, esta pequena ilha funciona como um país independente, capitalista e democrático. Ao longo da história, seu controle já esteve em diversas mãos, começando pelos portugueses e passando por espanhóis, holandeses e japoneses. Mas quando se trata de gastronomia, quem manda mesmo é a comida chinesa, origem da maioria de sua população.

Se na China a culinária está dividida pelas várias regiões, com diferenças marcantes de hábitos e ingredientes do Norte ao Sul e pelo interior, em Taiwan há uma unidade gastronômica em quase todo o território. Por ser aberta ao mundo, a ilha também ganhou umas influências, digamos, não tão saudáveis. O fast-food está lá com toda a sua força, arrebatando multidões.

E como normalmente acontece quando se fala de comes e bebes mundo afora, o mais interessante é mergulhar nas tradições locais. E nesse mergulho, surgem paraísos gourmet como os mercados noturnos, onde acontecem verdadeiros shows de comidas populares e que se mostram ótimas opções de passeio nas grandes cidades.

Cada gastronomia tem suas características específicas, mas três princípios são valorizados na culinária de origem chinesa: sabor, aroma e cor. Nos pratos são usados muitos ingredientes naturais e segue-se a filosofia da manutenção de uma boa saúde. Por isso, as ervas são muito utilizadas, em preferência aos medicamentos industrializados. O gengibre é um exemplo.

Outra curiosidade local é que, das três refeições principais do dia, o jantar é a de maior importância nas casas das famílias. Banquete, melhor dizendo, composto tradicionalmente por 12 pratos. Mas nos dias atuais, e devido à falta de tempo – esta, uma praga mundial –, a preparação se reduz a cerca de quatro pratos mais a sopa. Como no vizinho continental, os taiwaneses comem mais carne de porco do que bovina, além de muitas verduras. Arroz e frutos do mar também são muito apreciados, em preparos rápidos e simples.

Os costumes ocidentais também trouxeram coisas boas à “formosa” dieta: leite, leite de soja, queijos e pães. Isso é observado, por exemplo, no café-da-manhã, em substituição aos pães chineses assados e no vapor.

Seguindo a linha oriental, o chá bate de longe o café e costuma ser bebido após as refeições. Uma das variedades mais famosas da ilha é o Oolong – dragão preto, no idioma local –, cultivado em suas altas montanhas.

Para se ter uma ideia de quão importante é o ato de comer em Taiwan, a saudação inicial típica de uma conversa, em vez de algo como ‘tudo bem com você?’, é ‘Você já comeu hoje?’. Não é um barato?

Quem me contou tudo isso foi o Felix Wang, do Escritório Econômico e Cultural de Taipei no Brasil. De quebra, ele ainda me passou essa irresistível receitinha:

Arroz Frito
Ingredientes:

– arroz tipo japonês ou tailandês (pré-cozido e congelado por alguns dias)
– ovos
– cebolinha chinesa
– presunto (picado)
– camarão (opcional)
– molho de soja (shoyu)
– azeite (de oliva ou outros)
– sal

Preparo:Na panela wok, coloque primeiro o azeite para esquentar. Em seguida, quebre os ovos e deixe fritar quase formando uma omelete; acrescente os ingredientes picados e misture no fogo médio. Coloque o arroz, tempere com shoyu e sal a gosto e misture bem tudo. Está pronto para servir.


Posts Relacionados

  • O cabo malaioO cabo malaio A Copa do Mundo chegou e todos os olhos se voltam para a África do Sul. Eu, que já abordei o tema por aqui, reuní mais alguns fatos […]
  • Brigadeiro à GomesBrigadeiro à Gomes Este post é inspirado numa dica que dei lá no Carlota Express, minha coluna lá na Mit FM. Era sobre a Brigadeiro Doceria & Café, […]