Próxima parada: Lima!

blog_peruG
Se aqui no Brasil a história da imigração japonesa começou com o Kasato Maru, que em 1908 transportou o primeiro grupo de famílias do Japão para o porto de Santos, foi outro barco, o Sakura Maru, o responsável por levar quase 800 pioneiros japoneses para o Peru, em 1899.

Assim como aconteceu no interior de São Paulo, os japoneses foram contratados para um trabalho árduo nas fazendas da costa central do Peru. A influência dos nikkei (imigrantes e descendentes japoneses que vivem fora do Japão) na cultura criolla peruana começou a ser sentida com o fim da Segunda Guerra Mundial e a derrota dos países do Eixo (Alemanha, Itália e Japão), quando eles foram perseguidos e obrigados a se misturar aos locais, principalmente em Lima.

O sincretismo aconteceu inclusive na gastronomia e nas últimas décadas tem tido uma influência muito grande num prato tipicamente peruano, conhecido no mundo todo: o ceviche – um marinado feito basicamente com peixe, limão, cebola roxa e pimenta.

Não é muito difícil imaginar o porquê: com 2.500 quilômetros de costa no Pacífico, o Peru tem à disposição uma incrível oferta de peixes de primeira qualidade – assim como no Japão. As habilidosas mãos japonesas logo introduziram o estilo sashimi de cortar o peixe, a utilização de várias espécies de pescados e mariscos e a cuidadosa apresentação. Surgiu assim a base da comida nikkei peruano-japonesa, que resultou em pratos inovadores e se popularizou rapidamente na capital do país.

“La Buena Muerte” é um dos restaurantes precursores dessa comida. No livro “Rutas y Sabores del Cebiche”, Mariano Valderrama conta que lá se servia um cebiche a la nipona, em que o peixe aparecia quase cru. Mas o melhor exemplo da influência japonesa na comida peruana é o tiradito, que é muito parecido com o ceviche, mas tem um corte de peixe mais ao estilo japonês, leva aipo e não tem cebola.

Estou contando as horas para provar algumas variações de ceviche (inclusive o tiradito) e me sentir um pouco como os nikkeis, mesclando minhas experiências com as dos peruanos. No domingo, viajo para Lima a convite dos chefs Miguel Hernandez e Coque Ossio. De 27 a 29 de agosto, eu, a Carol Brandão e o Carlos Siffert (CCC, sempre!) faremos jantares especiais, com ingredientes típicos do Peru e do Brasil, no restaurante “Gambas”, do Miguel. Esperem pelos próximos posts com novidades de lá!


Posts Relacionados

  • É do Peru 2, o filme!É do Peru 2, o filme! Esse é pra quem não pôde ir sábado à etapa peruana do Gastro-pop, lá no Studio 768. O friozinho ficou do lado de fora. Lá dentro, cheio de […]
  • Petisco sem riscoPetisco sem risco Mesmo antes de ser chef, viagens pra mim sempre tiveram na experiência gastronômica uma forte motivação. E hoje, até mesmo quando […]