Alga em pele de cogumelo

cochayuyo

Alguém aí já ouviu falar em cochayuyo? Trata-se de uma alga que conheci no restaurante Suprem, de Porto Alegre. Meu amigo chileno Alex Zarate é o chef dessa casa especializada em gastronomia vegetariana. Ele mesmo traz sua cochayuyo do norte do Chile e do sul do Peru e a prepara em curries, recheios de pastéis, e faz até mesmo um molho com ela para servir sobre uma polenta grelhada.

Deu pra ver que ela é bem versátil, né? A cochayuyo tem textura carnuda e firme, parecida com um cogumelo. Seu sabor é suave, mas intenso, e seu aroma lembra o mar. A alga, que chega a medir 15 metros, também contém bastante fibra, além de iodo, cálcio, ferro e magnésio. E, atenção, tem pouca calorias!

Fiquei sabendo também que dá para comer a alga crua, temperada, em salada e aperitivos, cozida em sopas, salteada ou frita (como um cogumelo), moída em recheios de croquetes, por exemplo, ou em sobremesas, depois de dessalgá-la. No Peru, é comum encontrar cochayuyo em ceviches. Em quase todos os casos, é necessário colocá-la de molho para que amoleça.

Olhem só que gracinha esse bebê comendo, ou melhor, tentando mordiscar um pedaço de cochayuyo:

Os lafkenches (homens da costa – no caso, do Pacífico), pertencentes à comunidade indígena dos mapuches, são mestres em coletar a alga. Eles cortam sua base das rochas e deixam que a maré leve a cochayuyo até a praia, de onde eles a recolhem e a colocam para secar nas pedras. Na montagem de fotos abaixo, dá para ter uma ideia melhor de como isso acontece numa região chilena:


Posts Relacionados

  • Você tem medo de quê?Você tem medo de quê? Uma das graças dos idiomas ocidentais está nos prefixos maravilhosos que herdamos do latim e do grego. Folheando um livrinho que tenho […]
  • Da cor do pimentãoDa cor do pimentão Não foi pouco o que os conquistadores europeus levaram da América nos séculos XV e XVI. Ouro, prata, sementes de plantas e […]