Aos colecionadores, as batatas

É incrível como qualquer assunto, por mais específico que seja, é capaz de render produtos, referências e derivados suficientes para encher até um museu. A princípio, se alguém me dissesse: “ok, vamos juntar tudo o que tem a ver com alface”, eu daria risada e separaria uma gaveta para guardar meia dúzia de coisas relacionadas.

Só que a gente não percebe, mas a vida é um emaranhado tão grande que, se procurarmos, encontramos relação entre quase tudo, pra não dizer tudo mesmo. Filmes e abobrinhas (quase um trocadilho), torradas e Michelangelo, arte pop e geleias são algumas combinações possíveis que obsessivos por colecionar objetos encontram para justificar o hobby. Dá uma olhada nestes exemplos
que o site Salon encontrou.

Olhando a cara do senhor Ken Bannister chego à conclusão de que o mundo estaria bem melhor se fosse amarelo com pintinhas pretas. E o que dizer da senhora Elizabeth Tashjian, do Nut Museum? Gostei demais de saber da existência dos pedagógicos Museu da Batata e da Cenoura. Quem sabe não completam a saga com uma maionese e outros legumes e inventam o Russian Salad World Museum? E pra você? Qual comida mereceria um museu?


Posts Relacionados

  • Comida de museuComida de museu “Oferta cultural” de boa qualidade, para mim, vai além do produto cultural em si. O que quero dizer com isso? Não basta juntar um […]
  • Do “arroz e feijão”Do “arroz e feijão” Comentei outro dia meio que de passagem sobre a minha preocupação com a queda no consumo de arroz e feijão no Brasil. E o pior é o que […]