Ao primo canto

galeteria

Numa dessas minhas idas a Porto Alegre fui levada por um amigo a uma galeteria, a Casa do Marquês. Enquanto eu destrinchava meu galeto, e pensava se deveria ou não comer a pele crocante e dourada (é claro que eu comi…), me dei conta de que talvez pouca gente saiba da origem desse prato que, ao lado do churrasco e do arroz de carreteiro, forma uma tríade gastronômica DOG – denominação de origem gaúcha. A tradição manda acompanhá-lo com a polenta e uma saladinha de radicchio, um hábito que os habitantes do Rio Grande herdaram de seus colonizadores italianos, mas o fato é que o franguinho vai bem de tudo que é jeito, desde que esteja assado corretamente.

As galeterias surgiram no Rio Grande do Sul como uma solução para a proibição local de outro hábito italiano – este compartilhado com outras culturas europeias –, a caça a passarinhos. Para matar as saudades das passarinhadas, em 1957, um sujeito chamado Augusto Martins, dono de churrascaria Vera Cruz, em Santa Maria, pediu a seu fornecedor um frango abatido “ao primo canto”, o que significava cerca de 1 mês de vida. Assim nascia o galeto, e dava-se origem a uma porção de casas especializadas no prato, inicialmente no Sul e, ao longo desses anos, pelo Brasil afora. Tenho certeza de que na sua cidade deve ter alguém que faça um suculento e dourado galeto na brasa. Vai aqui a minha receitinha:


Galetinhos no Alecrim com Stuffing
(6 porções)

Ingredientes
3 galetinhos de 700g a 800g cada
1/3 xícara de alecrim picado
2 colheres de sopa de tomilho desfolhado
1 colher de sopa de sal
1 colher de café de pimenta moída na hora
½ xícara de óleo de milho
4 dentes de alho assado amassados
4 xícaras de miga fresca esfarelada
1 xícara de amêndoas picadas grosseiramente
1 colher de sopa de tomilho picado
Azeite extravirgem
4 colheres de sopa de manteiga

Preparo
Misture as ervas, sal, pimenta, óleo, faça uma pasta e espalhe no galetos.
Derreta a manteiga em uma frigideira, junte as amêndoas e doure-as. Junte a miga e o tomilho e doure. Tempere com sal e pimenta.
Encha os galetinhos com a farofa de miga, amarre-os e leve-os ao forno preaquecido a 170C por cerca de 40 minutos, ou até que estejam bem dourados e sequinhos. Tire os cordões, corte-os ao meio no comprimento e sirva em seguida.


Posts Relacionados

  • FICAR é precisoFICAR é preciso Para você que entra aqui procurando informações interessantes sobre esse prazer que é comer e sobre todas as coisas boas da vida que o […]
  • Gororoba da boaGororoba da boa Semana passada, quando estive em Porto Alegre, visitei um amigo que gosta de se aventurar na cozinha. E o faz muito bem, por sinal. […]