Self-made chef

Blog_julie
Do primeiro livro de culinária a gente nunca esquece. No meu caso, foi um da Paula Wolfert: “Couscous and Other Good Food from Morocco”. Outros que marcaram meus primeiros anos de estudos foram os da Julia Child. Teve também um do Jacques Pépin… os livros asiáticos da Nicole Routhier, que foi minha professora no Peter Kumps, em Nova York… e por aí vai.

Sempre admirei os autodidatas. Até por isso eu mesma me tornei uma “espécie de”. Apesar de ter estudado com grandes mestres e de ter ouvido a experiência de pessoas maravilhosas, na gastronomia conta muito o do it yourself: ir atrás de informação, provar, viajar, testar, selecionar, criar. Tudo por conta própria.

Gostei de saber que o estande da Editora Senac na Bienal do Livro vendeu mais de 2 mil livros no primeiro final de semana e que os títulos sobre gastronomia foram os mais procurados. O recordista de vendas foi o lançamento do argentino Paulo Sebess, Técnicas de Padaria Profissional, traduzido por Renato Freire. Em 320 páginas, o chef mostra processos e receitas de diversos tipos de pães, com fotos do passo-a-passo.

Mas o que me deixou realmente feliz foi saber que o Chef Profissional foi o segundo mais vendido. Essa bíblia do Instituto de Culinária da América tem mais de mil páginas com as mais variadas informações, como noções básicas de nutrição e ciência alimentar, segurança na cozinha, utensílios e ingredientes e, obviamente, centenas de receitas.

Acreditar que cada um que comprou o livro se torne um chef profissional seria ingenuidade da minha parte, mas só o fato de esse tipo de livro – completo e aprofundado – estar em evidência já é um sinal de que os autodidatas gastronômicos estão por aí. Bom saber.

P.S. No último dia da Bienal, domingo, às 14h, tem bate-papo comigo em torno do lançamento do Dez X 10 – 100 receitas para comer de joelhos”, mais recente filho. Apareçam!


Posts Relacionados

  • A escola de DucasseA escola de Ducasse A passagem de chef a empresário não é, como alguns pensam, uma evolução natural da profissão. Há chefs geniais entre as quatro paredes […]
  • À mesa com FreyreÀ mesa com Freyre Após ler opiniões e críticas (exaltadas, muitas vezes) dos especialistas presentes na Festa Literária Internacional de Paraty sobre o […]