O queijo fajuto


Vi recentemente no Bom Dia Brasil, da Rede Globo, uma reportagem sobre a produção de queijos na Grã-Bretanha. Apesar de não terem tanta tradição nessa indústria quanto a França, os ingleses decidiram apostar neste ramo e hoje chegam a exportam 90 mil toneladas por ano. Entre os mais de 700 tipos de queijos locais, o cheddar é o mais consumido.

Nós somos ainda menos reconhecidos internacionalmente por nossos queijos, mas o mercado interno consagrou alguns tipos. Seguindo a linha do meu post anterior, “Marcas do Coração”, resgato agora a história de um queridinho da mesa dos brasileiros: o requeijão.

A produção do mais famoso deles, o catupiry (“excelente”, em tupi-guarani), começou nas mãos do imigrante italiano Mário Silvestrini, em 1911, em Minas Gerais, como uma maneira de utilizar o leite excedente de sua fazenda, já que não contava com a ajuda de uma geladeira. E foi na fazenda de Silvestrini em São Lourenço que, em 1950, durante uma viagem de férias, Moacyr de Carvalho Dias, então presidente dos Laticínios Poços de Caldas, viu pela primeira vez a produção do requeijão e decidiu fazer sua própria versão do produto. Foram muitos testes até chegar à receita número 606, que resultou em uma massa branca, cremosa, vendida em copos. “Requeijão caseiro é feito com leite integral coalhado, dessorado e cozido, esse é o original. O meu – de leite desnatado e creme de leite – é o ‘fajuto’”, contou Moacyr ao repórter Luiz Henrique Ligabue, em matéria no Estadão.

Catupiry ou requeijão, fajuto ou original, o fato é que o queijo cremoso há anos serve como ingrediente para pratos tradicionais aqui no Sudeste, a começar pela pizza. Ficou com desejo? Então faz essa receitinha e depois me conta:


Frigideira de cogumelos e requeijão

Com pão sueco

(6 porções)

Ingredientes

1 bandeja de shitake
1 bandeja de pleurotus ou shimeji
2 colheres (sopa) de manteiga
1 colher (sopa) de molho de soja
1/3 de xícara de creme de leite fresco
1 copo de requeijão cremoso
2 colheres (sopa) de parmesão ralado
Sal
Pimenta-do-reino, moída na hora
1 pacotinho de pão sueco

Preparo

Retire os talos do shitake e fatie finamente. Corte a base do shimeji ou do pleurotus e solte os cogumelos do talo. Aqueça a metade da manteiga em uma frigideira, junte o shitake e grelhe em fogo alto até secar o líquido. Reserve e faça da mesma forma com o outro cogumelo. Junte ambos em uma panela, acrescente o creme de leite, o molho de soja e o requeijão, acerte o sal e a pimenta. Finalize com o parmesão. Não deixe reduzir demais, deve ficar cremoso. Sirva com pão sueco.


Posts Relacionados

  • A Vitória do queijo pernambucanoA Vitória do queijo pernambucano Nos 5 dias, que passei na capital pernambucana, fui ciceroneada carinhosamente por minha amiga de longa data Maria do Socorro e por meu […]
  • C´est le fromage, uaiC´est le fromage, uai D.O.C. Denominação de Origem Controlada. Nós nos deparamos com essa sigla, que parece mágica, e automaticamente nos vêm à mente paisagens […]