Minha impressão: Le Vin

Sentada na calçada do Le Vin, na alameda Tietê, tive a nítida impressão de estar no lugar certo na hora certa. A noite, como muitas destas semanas outonais, estava super agradável e a comida, não poderia ser mais apropriada: um frugal dinner com ostras, steak tartar, tartar de salmão, salada de chévre com friseé, vinagrete perfeito. Tudo delicioso!

Mas acho que o que mais me fez sentir confortável foi a ausência de exageros, tanto na gastronomia quanto no preço. Foi essa filosofia, na minha opinião, que ajudou o casal de restaurateurs Francisco Barroso e Nancy Mattos a construir uma rede que já conta com nove casas (entre bistrôs, patisseries e uma boulangerie), em São Paulo e no Rio de Janeiro.

E tudo começou aqui, na Tietê, há 10 anos. Com o bistrô de inspiração parisiense, de toalha xadrez, mesinhas na calçada e fotos de família. Hoje, a carta conta com cerca de 80 pratos genuinamente franceses (e de ótima qualidade) e com mais de 300 rótulos de vinhos selecionados pela sommelière Katia Lefriec. Tudo a um excelente custo-benefício. Era só isso o que eu precisava naquela noite de outono… Vida longa ao Le Vin!


Posts Relacionados

  • Minha impressão: KosushiMinha impressão: Kosushi Volta e meia vejo o nome do restaurante japonês Kosushi na mídia associado à presença de alguma celebridade na casa. Confesso que isso […]
  • Minha impressão: Dona OnçaMinha impressão: Dona Onça Início do ano, encontro da “diretoria” (leia-se meus amigos queridos Ricardo Freire, Tetê Pacheco, Roberto Lautert e Niq Santiago), e […]