Berlim sem pressa, por Carol Almirón

Depois de quase 15 dias em Berlim, seria um desperdício recomendar somente o fast food das ruas da capital alemã, por isso volto ao tema para citar parques, museus e monumentos que valem a visita, além de restaurantes que servem especialidades muito diferentes dos tradicionais döner kebab e currywurst.

Museus
A Ilha dos Museus (“Museumsinsel”), no centro de Berlim, é um paraíso para quem gosta de arte. É lá que se estão cinco dos melhores museus da cidade: Museu Pergamon (antiguidade clássica e arte islâmica), Altes Museum (arte antiga da Grécia, Roma e Etrúria), Neues Museum (coleções de arte egípcia, pré-histórica e história recente), Alte Nationalgalerie (pinturas e esculturas europeias do século XIX) e Museu Bode (esculturas do Império Bizantino, da Idade Média, do Gótico italiano e do começo do Renascimento). Na mesma área, pertinho do rio Spree, estão o Berliner Dom (a lindíssima Catedral de Berlim) e o Lustgarten (“Jardim das Delícias”), um parque público superbacana, ideal para descansar, jogado na grama, depois da visita aos museus. E quem se interessa por arte moderna não pode perder a oportunidade de ir ao Neue Nationalgalerie, cujo prédio – de aço e vidro – é considerado o último trabalho de relevância de Mies van der Rohe, o famoso arquiteto alemão.

Muro
O Muro de Berlim, que neste mês de agosto completou 50 anos do início de sua construção, continua sendo um dos atrativos da cidade, como não poderia deixar de ser. É realmente impressionante ver como ele continua forte e presente nas ruas de Berlim, mesmo após sua derrubada. Andando a pé ou de bicicleta é fácil identificar suas pegadas: pedras no chão seguem a linha onde durante quase trinta anos o gigante de concreto fazia História. Pensar em como viviam os habitantes na Berlim Ocidental – ilhada no meio do bloco soviético – é um ótimo exercício de imaginação e de resgate histórico (as livrarias em Berlim tem uma coleção enorme de livros sobre o Muro e os anos da Guerra Fria). Na East Side Gallery, uma galeria de 1,3 km a céu aberto, é possível ver 105 pinturas de artistas do mundo inteiro, feitas em 1990. Fica na Mühlenstraße, no lado oriental do Muro de Berlim.

Monumentos
O Holocaust Memorial é um dos lugares mais impressionantes de se visitar em Berlim: pela sua força arquitetônica e pelo seu simbolismo. O memorial pelas vítimas judias do Holocausto consiste em 19 mil metros quadrados cobertos por 2.711 placas de concreto de vários tamanhos colocadas sob um solo inclinado. De acordo com o arquiteto Peter Eisenman, um dos idealizadores do projeto, as placas foras desenhadas para produzir uma inquietante e  confusa atmosfera e a escultura tem como objetivo mostrar um sistema supostamente ordenado que perdeu o contato com a razão humana. Com certeza cada um que se aproxima do local tem uma visão bem particular do memorial. Ele permite várias interpretações e sensações, que podem ser motivadas pelas pessoas tristes que andam pelas ruas formadas entre as placas com flores nas mãos, por jovens moderninhos tirando fotos em poses à la Lady Gaga ou por um casal de namorados em um longo beijo de cinema…

Baladas
Depois de uma aula de histórias nos museus, monumentos e igrejas de Berlim talvez seja uma boa ideia descansar em um dos lindos parques de Berlim, como o Tiergarten ou o Mauerpark (que de domingo tem até karaokê ao ar livre, com uma plateia que deixaria Mick Jagger ou Ivete Sangalo com inveja – veja o hilário vídeo abaixo) ou  tomar umas e curtir a noite em uma das baladas mais recomendadas pelos locais: Kater Holzig, Weekend Club ou Watergate.


Restaurantes
Finalmente chegamos a eles:

Monsieur Vuong
Alte Schönhauser Str. 46 em Mitte
A comida vietnamita por aqui não é raridade, mas este lugar em especial é recomendável pela excelente qualidade dos pratos. Vá esperando muito curry, capim-cidreira e gergelim. O cardápio é pequeno e varia a cada semana. Por ser famoso, prepara-se para enfrentar alguma espera.

Themroc
Torstrasse 183 em Mitte
Cozinha de inspiração francesa, em um ambiente simples, com dois menus diários, acessível e com excelente clima.

Santa Maria
Oranienstraße 170 em Kreuzberg
Este restaurante mexicano é um dos lugares da moda entre os jovens descolados de Kreuzberg. Boas pedidas: tacos con camarones, burrito con barbacoa de res e margaritas! Ambiente descontraído, boa comida e excelente trilha sonora.

Schlesisch Blau
Köpenicker Str. 1 em Kreuzberg
Oferecendo um mix de cozinha alemã e francesa, a casa tem um menu gourmet que custa apenas 17 euros (ou cerca de) e um boa opção de vinhos. Sinta-se como se estivesse comendo na sua sala de jantar.

Kimchi Princess
Skalitzer Str. 36 em Kreuzberg
“Funky” é o termo mais apropriado para descrever este restaurante de comida coreana, em que se destacam do menu as opções de churrasco para duas pessoas finalizados na mesa. Prepare-se para um pouco de fumaça, muita pimenta e temperos.


Posts Relacionados

  • Fast e good em Berlim, por Carol AlmirónFast e good em Berlim, por Carol Almirón Rodar pelas ruas de Berlim é um convite ao experimentalismo. Foi aqui que pela primeira vez na história um muro dividiu uma cidade […]
  • Prato da sexta: pardaizinhosPrato da sexta: pardaizinhos Escrevi recentemente aqui sobre um tipo de massa chamada pici e sobre o cuidado que muitos restaurantes italianos em São Paulo têm no […]