Mi Buenos Aires querido


A capital portenha faz parte de meu roteiro desde sempre. Veraneios no Uruguai, passeios na Argentina, amigos e amores. De uns anos pra cá – com as gravações de Brasil no Prato – minhas visitas se tornaram mais frequentes, o que me permitiu dedicar um bom tempo às minhas – constantes – pesquisas gastronômicas. E diga-se de passagem .. Buenos Aires se presta.

Avenidas que lembram os largos parisienses e nos remontam as magníficas Vias do Império Romano. Buenos Aires é uma cidade planejada, urbanisticamente falando. Com seus mais de 13 milhões de habitantes, transborda charme, sobriedade, cultura e um certo desleixo que – mesmo contrastando com o moderníssimo Puerto Madero – dá uns ares de aristocracia falida.

Dentro de minhas preferências, alguns restaurantes são o que poderíamos chamar de “bem resolvidos”. Comida boa, porções bem equilibradas, ambientes elegantes, simples e na atual situação financeira, preços muito em conta.

Assado é uma opção indispensável nesta terra exportadora de carne de primeira linha e a minha preferida é “El Pobre Luiz” no bairro de Belgrano. Preparadas com extremo cuidado, as “hachuras” dão um toque gourmet a proposta simples e descolada da “parrilla”.

Por orientação de minha amiga Narda Lepes, fui no Hong-Kong Style (também em Belgrano) provar uma delicada comida chinesa – artesanal, feita com muito cuidado pelo proprietário e um ajudante. Não da pra deixar de provar os incríveis empanados com delicada massa e saborosos recheios.

Uma passagem obrigatória (pra mim) é o Oviedo, restaurante espanhol clássico, onde oferecem excelentes pratos de frutos do mar. Cozinha requintada, ambiente elegante, serviço à altura.

Mais despojada e nem por isso menos elegante e charmosa, La Pescadorita – dica da minha prima Gabriela Beatriz – apresenta uma vasta carta de opções marinhas. A “Cherna a la plancha” acompanhada por risoto de cogumelos é imperdível.

Como dizem os argentinos: “Para darse un gusto” .. Brasserie Petanque, um restaurante francês sem afetação. Ao sentar, um martini servido num pequeno copo me deu as boas vindas. Entradas bem transadas e pratos generosos dão um tom portenho a esse recanto tipicamente parisiense.

Pequeno, aconchegante e apresentando um ótimo resultado de empresa familiar – mãe e filhos – o Café San Juan, administrado pelo chef Leandro Cristobál apresenta em seu cardápio a especial “bondiola”. Tem que reservar com boa antecedência.

Esses eu gosto, recomendo e vou voltar.

  • El Pobre Luiz – Arribeños, 2393 – Belgrano – 4780 5847
  • Hong-Kong Style – Montañeses, 2148 – Belgrano (barrio chino) – 4786 3456 
  • Oviedo – Beruti, 2602 – Recoleta – oviedoresto.com.ar
  • La Pescadorita – Humbolt, 1905 – Palermo Hollywood – 4773 0070
  • Brasserie Petanque – Defensa, 596 – San Telmo – brasseriepetanque.com
  • Café San Juan – Av. San Juan, 450 – San Telmo – 4300 1112

“La Cherna a la plancha” – La Pescadorita
(Cherne na chapa, com risoto de cogumelos)

La Pescadorita
Palermo Hollywood

 

 

 

 

 

 

 


Posts Relacionados

  • Minhas dicas portenhasMinhas dicas portenhas Já andamos passeando por Nova York, pela Califórnia e por Milão por meio de dicas dadas por mim mesma ou por alguém em cuja opinião […]
  • Palácio portenhoPalácio portenho Estive a semana passada em Buenos Aires e vi muitas coisas lindas, que fizeram a viagem ser maravilhosa. Eu sempre falo que uma das […]