Abram alas pro peru


Existem coisas que são por que são .. como dogmas .. a gente não questiona. Tipo: é porque é.

Uma delas – pra mim – é comer peru no Natal. Não faltam opções para fazermos uma mesa de encher os olhos e encantar todos os paladares. Mas não adianta .. se não tem aquela ave grande assada e enfeitada, parece que está faltando alguma coisa. Peru tem tanta cara e gosto de Natal, que não é comum come-lo fora dessa festividade.

O hábito de comer peru no Natal surgiu em Plymouth, Massachusetts, nos EUA, em 1621. Nesse ano, no Dia de Ação de Graças, serviu-se peru selvagem, como prato principal.

O peru vivia em estado selvagem nos bosques do Canadá, Estados Unidos e México. Foi ao longo do século XVI que a Europa descobriu essa ave, de jeito estranho, que foi chamada de “galinha da Índia”, pois muitos ainda confundiam a América com as Índias Ocidentais. Nessa época a corte européia apreciava, gansos, cisnes, pavões e outras aves nobres. O peru, por ser mais barato e ganhar peso mais facilmente, não teve dificuldade em conquistar a preferencia da nobreza.

A abundância – e a extravagância – caracterizam a essência da ceia de Natal.

Como prato principal (o rei da festa), recebe – antes do abate – um tratamento muito especial: ave nova, no auge do crescimento, papo grande, coxa grossa, peito carnudo é embebedado com algum bom destilado, até cair … daí é limpo, temperado e .. forno.

Esse trato “ritualístico” (poderíamos dizer: politicamente incorreto) ficou na memória da culinária mundial, dando espaço a perus criados em série, alimentados com uma combinação de proteínas, sais minerais, vitaminas e outros nutrientes. Essa industrialização viabilizou financeiramente um maior acesso ao Peru de Natal. Nos freezers dos supermercados, montanhas de Perus, inteiros ou aos pedaços, alguns já pré-temperados, convidam para uma linda e festiva ceia natalina.

E o “porre clássico” para amolecer e dar gosto à carne, foi substituído por 24 horas de uma boa marinada.
O Peru de Natal é um símbolo e está – de uma forma ou de outra – presente na vida de cada um.

Na minha casa, desde que me lembro .. uma das especialidades de Dona Marlene (minha mãe).
Eram três dias de atividades intensas que resultavam em – além do Peru natalino – sarrabulhos, purê de maçãs e molho de cerejas, garantindo o alto padrão de confraternização entre Canarins, Mazzinis e Danesis.
Natais inesquecíveis.

… da série Segredos de Família:


Peru de Natal da Marlene

Ingredientes:

  • 1 peru de 5 a 6 quilos
  • 2 colheres de café de pimenta-do-reino
  • 3 limões
  • 250 gramas de bacon
  • 1 garrafa de vinho branco
  • 1 maço de coentro batidinho
  • 2 cebolas raladas
  • sal a gosto
  • 250 gramas de manteiga

Modo de preparo:
Deixe o peru de molho nos temperos e vinho por 24 horas.
Cubra o peru com as fatias de bacon.
Leve ao forno pré-aquecido moderado coberto com papel-alumínio por 40 minutos.
Retire o papel-alumínio e deixe dourar por cerca de duas horas.
Coe a marinada, misture com a manteiga derretida, e regue o peru enquanto assa.


Sarrabulho* doce

Ingredientes:

  • ½ xícara de chá de azeite de oliva
  • 4 colheres de sopa de manteiga
  • 1 cebola grande ralada
  • 1 colher de sopa de molho de tomate
  • 250 gramas de ameixas-pretas
  • 250 gramas de passas de uva sem caroços
  • 200 gramas de azeitonas pretas em rodelas sem caroços
  • 3 ovos picados
  • 300 gramas de farinha de mandioca
  • sal a gosto

Modo de preparo:
Doure a cebola no azeite e na manteiga.
Acrescente a farinha de mandioca e vá dourando aos poucos.
Misture as azeitonas, os ovos, as frutas secas e o molho de tomate.


Sarrabulho* salgado

Ingredientes:

  • 150 gramas de miúdos de galinha + os miúdos do peru
  • 3 colheres de sopa de azeite de oliva
  • 250 gramas de tomates sem pele nem sementes
  • 1 maço de cheiro-verde
  • 4 ovos cozidos
  • 200 gramas de azeitonas verdes picadas
  • 2 colheres de sopa de manteiga
  • 200 gramas de presunto picado
  • 1 pimentão em rodelas
  • 2 cebolas médias raladas
  • sal

Modo de preparo:
Doure a cebola e os miúdos no azeite e na manteiga.
Acrescente a farinha de mandioca e vá dourando aos poucos.
Misture as azeitonas, os ovos, presunto, os pimentões, o cheiro-verde e os tomate picados.

*Sarrabulho: é um prato típico do norte de Portugal. Originalmente era um guisado com os miúdos de porco, cabrito ou aves, ligado com sangue e geralmente temperado com cominho e restos de pão. Aos poucos foi recebendo frutas secas, castanhas, legumes e uma variedade de outros ingredientes. Tem menos farinha, e é mais molhado que a nossa Farófa, mas tem uma filosofia semelhante. Pode ser doce ou salgado.


Posts Relacionados

  • Natal é Fiesta e FiestaNatal é Fiesta e Fiesta Natal (critique-se o apelo comercial ou não) é um momento de carinho, onde a família troca presentes e se reúne - em torno de uma mesa, […]
  • Viva o turrão!Viva o turrão! Já que o Natal chegou (e o que me obriga a pensar assim é menos o dia do mês do que as árvores enfeitadas, os Papais-Noéis […]