A Vitória do queijo pernambucano


Nos 5 dias, que passei na capital pernambucana, fui ciceroneada carinhosamente por minha amiga de longa data Maria do Socorro e por meu querido parceiro culinário de fogão e TV, o chef Duca Lapenda.

Dentre as maravilhas desvendadas nos meandros gastronômicos pernambucanos, fiquei encantada, surpresa e apaixonada pela produção de Vitória Barros. No município de Pombos, com 30 funcionários, o Laticínio Campo da Serra produz queijos frescos, maturados e uma grande variedade de produtos lácteos. Seus produtos são vendidos em Recife (Boa Viagem) e no Gravatá. Mas poderiam estar expostos nas mais exigentes vitrines de queijos do país ao lado de produtos internacionalmente consagrados.

Quando entrei na loja da Boa Viagem, tive a sensação de estar entrando numa “fabrique du fromage” genuinamente europeia. Brie, Cablanca, Emmental, Morbier, Pecorino, Ports Salut, Raclette, Coalho, Camembert, Gouda, Reino, Tilsit, Reblochon e mais uma grande variedade .. deliciosos, muito bem apresentados.

Vitória, a proprietária é uma engenheira química que leva o seu trabalho muito a sério e tem um padrão de qualidade dos mais exigentes. Ama o que faz e dedica grande parte de seu tempo em pesquisas, estudos e testes. É o que poderíamos chamar de uma pernambucana porreta.

Quinze anos atras, quando herdou do pai (Luiz Barros) a fazenda Boa Esperança em Pombos, Vitoria iniciou sua aventura aproveitando o leite de boa qualidade que o lugar produzia.

Requeijão de corte, requeijão pernambucano, minas e queijo coalho foram o início de tudo. Inicialmente oferecidos para redes de hotéis, os produtos foram se ajustando e se sofisticando até chegarem a um patamar de excelência que se encontram.

Em sua loja, junto às completas prateleiras e vitrines de queijos de todos os tipos, Vitória tem um espaço para café com outras iguarias que fazem com que nos sintamos lanchando no primeiro mundo. Depois de uma primeira visita rápida, onde pude fazer um breve contato com Vitória, combinei de tomar um “breakfast” sábado pela manhã. O café com leite é a coisa mais divina .. leite cremoso, puro, sem química .. direto da vaca .. direto de Pombos. Outra iguaria sem precedentes é o iogurte melado com geleia de framboesa e granola servido numa taça divina.

Recife está no meu roteiro de pesquisas culinárias, não por ser chamado de capital do nordeste – titulo a que faz jus – mas por ter, em sua composição cultural, uma invejável e variada presença étnica. E isso se reflete diretamente numa variedade culinária com excelentes resultados. Holandeses, Alemães, Ingleses, Espanhóis, Italianos, Árabes, Judeus, Franceses, Russos, Ucranianos, Romenos, Palestinos entre muitos outros distribuídos por todo o estado, fazem de Pernambuco um lugar extremamente apetitoso para meus estudos investigativos.

Terra de Frevo e Maracatú, Pernambuco é um estado brasileiro fortemente – bem – representado em todos os setores.

Segundo maior produtor de uvas do Brasil, 1º em produção de goiaba e aceróla, segundo maior polo floricultor, 4º no ranking nacional em produção de ovos, 6º maior na cana-de-açúcar, se destacando com frangos de corte e uma qualificada bacia leiteira. Isso sem falarmos que é terra de Marcos Nannini, Lampião, Paulo Freire, Nelson Rodrigues, Chacrinha, João Cabral de Melo Neto, Eduardo Campos, Manoel Bandeira, Gilberto Freyre e por ai vai.

Tenho em meu roteiro de viagens para este ano, vários agendamentos que me levarão para Pernambuco, visitas, trabalhos, pesquisas, matar a saudade de amigos queridos e com certeza, além de uma volta pelo interior pernambucano, uma visita ao Laticínio Campo da Serra em Pombos.

Sempre que vou a Recife, volto para casa com sacolas, caixas e pacotes com tapioca, cajuína, castanhas de caju, caju ameixa, doces típicos, queijo coalho, manteiga de garrafa, pimentas e muitas outras delicias regionais. Desta vez, quando cheguei em casa e desfiz a mala, meus filhos perguntaram: – Estiveste na Holanda mãe?

Era queijo que não acabava mais, duas grandes caixas de isopor com todos os queijos que vocês puderem imaginar.

Essa eu passei para a Vitória:


Fonduta de queijos e alecrim

Ingredientes:

  • 250g de queijo azul
  • 300g de cream cheese
  • 300g mascarpone
  • uma xícara de vinho branco seco
  • duas xícaras de creme de leite fresco
  • uma xícara de leite fresco
  • uma pitada de noz moscada
  • uma colher de sopa de alecrim fresco picado

Preparo:
leve tudo a cozinhar em fogo brando até fazer uma mistura homogênea

Eu gosto de servi-lo para acompanhar bolinhos de arroz.
E você, o que sugere?

Carla Pernambuco


Posts Relacionados