Cachaça

Um brinde a Paraty e suas cachaças

Hoje vamos falar da marvada. E de uma cidade que há séculos enaltece a marvada.  Com vocês, a cachaça.
Com vocês, Paraty.

Essa história de “amor” entre a cachaça e Paraty é longa: diz-se que a bebida começou a ser alambicada naquela região por volta de 1600. Paraty  nem foi a pioneira nessa arte. Mas em pouco tempo se transformou na mais importante região produtora de pinga no Brasil colonial. Tanto que “Paraty” virou sinônimo de pinga, de uca, de cachaça, da marvada. Hic! Vai um paraty? Hic!

E olha que chique: a qualidade da destilação da pinga de Paraty fez tamanho sucesso que logo virou a mais cara do país. Ao mesmo tempo, foi a cachaça que impulsionou a economia da cidade. Existiam mais de cem alambiques de aguardente por volta de 1700. Hoje, são apenas sete.

E olha que bacana: lá virou sede anual do Festival da Cachaça, Cultura e Sabores de Paraty. A 32a edição do evento acontecerá este ano de 21 a 24 de agosto, em novo formato, com shows, feiras, palestras e mil atividades no Paço Municipal (no Centro Histórico).

Isso é importante por destacar nos dias de hoje que a aguardente de cana foi o primeiro produto colonial brasileiro a competir no mercado internacional. Claro que por outros motivos: a cachaça era produto derivado da implantação da monocultura do açúcar pelos portugueses. Existiram até reações moralizantes e restritivas, que proibiram por diversas vezes a produção de pinga em Paraty.

De nada adiantou. Ninguém derrubou a marvada. Ainda hoje, por incrível que pareça, a cachaça é a bebida mais consumida no Brasil e –essa ninguém esperava– o terceiro destilado mais consumido no mundo. Por tudo isso, a pinga significa muito à cultura de Paraty.

E antes que eu me esqueça, gostaria de declarar aqui que considero Paraty um dos destinos mais belos do planeta Terra. Ir a Paraty ainda continua uma experiência única. Em todos os sentidos, do sensorial ao gustativo, do emocional ao estético, do cultural ao existencial.

Caipirinha Marvada

1 Tangerine

1 Limão siciliano ou limão cravo

1 Laranja

3 colheres de mel orgânico

Gelo

Cachaça

Para a decoração:

  • 1 Limão siciliano

Modo de preparo

  • Corte as pontas do limão e da Tangerine
  • Corte o limão ao meio
  • Faça um corte em V e retire a parte central, pois ela faz a caipirinha adquirir um sabor amargo
  • Corte as frutas em pedaços menores
  • Amasse suavemente a mistura com um pilão
  • Acrescente o gelo
  • Complete com a cachaça

Para a decoração:

  • Corte um pedaço do limão e coloque na ponta do copo

Caldinho de feijão com pinga

Ingredientes:

6 doses de cachaça
1 dente de alho

1 colher de café de molho de pimenta

3 conchas de caldo coado de feijão
1 colher de sobremesa de óleo
salsinha e ovo picado para enfeitar

Modo de preparo:

Doure o alho e retempere o feijão. Prove o sal, misture a cachaça e a pimenta. Sirva em copinhos ou pequenas cumbucas.


Posts Relacionados

  • A cozinha afetiva do poetinhaA cozinha afetiva do poetinha Gonçalves: "Pois sou um bom cozinheiro - receitas, histórias e sabores da vida de Vinicius de Moraes" Trecho de: Para viver um grande […]
  • CoentroCoentro Um tempero com personalidade Gilberto Gil uma vez compôs a canção “Cultura e Civilização”, onde a letra dizia: “eu gosto mesmo é de […]