Rio de Janeiro: aquele abraço

O Rio de Janeiro continua lindo. O Rio de Janeiro continua sendo. Alô, alô Realengo, aquele abraço. E vamos acabar com essa história de que o Rio é apenas uma cidade de botecos, biquínis e alô-alô. A ex-capital do Brasil tem uma tradição própria e inegável em todos os assuntos. Comidas, comilanças, coisas raras, bocados que nem são facilmente explicáveis.

Por isso resolvi fuçar alguns dos novos endereços que regem a nova culinária carioca, com a bênção do redentor e daquilo que podemos chamar de “malícia” do paladar. Vamos então entrar nessas bocas cariocas? Sim, sim, sim.

http://www.carlapernambuco.com.br/?p=3112

 

IRAJÁ

Tive a oportunidade de conhecer, em Botafogo, o Irajá: restaurante muito gostoso, instalado numa linda casa histórica, cujo projeto de interior, inteligente e charmoso, é obra do arquiteto Maurício Nóbrega, que conseguiu misturar o antigo e o novo com a maior sintonia. Entre os vários atrativos do novo restô está o preço justo e nada abusivo, que foge um pouco daquilo que encontramos na Zona Sul. Além disso, o principal, aliás, é que a comida do chef Pedro de Artagão é surpreendente: inovadora, fresca, deliciosa, brasileira, leve e chique…

Em minha primeira experiência, sentei à mesa do chef, uma távola redonda para oito ou dez pessoas, onde comi feito rainha! O menu-degustação seguiu a seguinte ordem: salada de tomates com creme de mussarela de búfala, farofa de pão italiano, bolinho de queijo coalho sobre coulis de damascos, ovo em baixa temperatura com curau, pirarucu com palmito e pimentas, gnudi (espécie de nhoque) de batata-baroa com mix de cogumelos, bolo de brigadeiro desconstruído… a cada prato que chegava, o comentário geral na mesa era o mesmo: hummmmm!!!! Por tudo isso, com certeza, o Irajá, um misto de bar com restô-gastrô, já virou point obrigatório daqueles que gostam de comer, beber e se divertir na Cidade Maravilhosa.

Aproveito e passo a receita do risoto primavera incrível que provei no Irajá pra vocês não ficarem apenas na vontade:

Risoto primavera “quase sem arroz”
4 porções

 Ingredientes do Risoto:

– 30g alho
– 50g cebola
– 50g arroz vialone nano
– 50g palmito pupunha
– 50g mandioca descascada
– 50g alho porró( parte branca)
– 50g aipo
– 50g couve flor (talo)
– 50g champignon paris
– 50g nabo japonês
– 50g pepino (sem semente e sem pele)
– 100g manteiga
– 100g queijo grana padano
– 100ml vinho branco
– sal
– pimenta do reino
– caldo de legumes

 Ingredientes da Salada:

– 4 mini cenouras
– 4 mini alho porró
– 4 mini aipos
– 4 vagens francesa
– 4 ervilhas torta
– 1 mini abobrinha laminada
– 1 mini funcho cortado em 4 pçs
– manjericão
– manjericão roxo
– salsa
– coentro
– ciboulete
– folha de cenoura
– flor de manjericão
– flor de funcho
– flor bourrage
– flor capuccine
– mini amo- perfeito
– limão
– azeite q.b.
– sal e pimenta

 Modo de preparo para o risoto:

Corte todos os legumes em cubinhos do tamanho de grãos de arroz. Refogue o alho e a cebola em manteiga com um fio de azeite, acrescente o arroz e frite até ficar transparente. Deglaceie com o vinho branco e em seguida acrescente uma concha do caldo, reserve.  Em uma segunda panela, comece a refogar todos os legumes cortados em cubinhos, a começar pela mandioca. Em seguida, acrescente o nabo e a couve flor, e deixe cozinhar por cerca de 5 minutos. Acrescente o restante dos legumes e o arroz reservado. Trate a mistura como um risoto normal acrescentando caldo cada vez que a panela secar;

Enquanto isso, em uma frigideira acrescente uma concha de caldo, uma colher de manteiga e os legumes para a salada deixando somente o aipo e a abobrinha laminada para o ultimo momento.

Voltando ao risoto: finalize com queijo manteiga, sal e pimenta, como um risoto normal. Acrescente a abobrinha e o aipo à frigideira e, em seguida escorra o caldo e tempere com sal pimenta limão e um fio de azeite.

Sugestão do chef: Sirva o risoto com os legumes quentes e todas as flores, como se fosse uma salada.


Posts Relacionados

  • Pirão de Feijão com Peixe FritoPirão de Feijão com Peixe Frito Culinária Açoriana preservada no vento salgado do Pantano do Sul. No fim da dedada de 50, Arante Monteiro e sua esposa Osmarina […]
  • Um delicioso Natal sem estresse Um delicioso Natal sem estresse Ceia de Natal “Las Chicas” Natal é sempre aquela loucura. A gente chega a se arrepiar só de pensar no corre-corre. É a árvore de […]